Quem quer ser Bibliotecário/a ???

Anúncios
Publicado em biblioteca, biblioteca escolar, bibliotecario, biblioteconomia, ciência documental, ciencia informação, Uncategorized, Web 2.0 | Publicar um comentário

termos, glossário arquivístico

Arquivo
Conjunto orgânico de documentos, independentemente da sua data, forma e suporte material, produzidos ou recebidos por uma pessoa jurídica, singular ou colectiva, ou por um organismo público ou privado, no exercício da sua actividade e conservados a título de prova ou  informação.
Arquivo central
Arquivo que reúne a documentação produzida pelos diversos departamentos e serviços de uma administração. Também designado arquivo geral.
Arquivo corrente
Arquivo constituído por documentos correspondentes a processos ainda não concluídos. Corresponde à fase activa, durante a qual os documentos são usados de forma regular pela entidade produtora, para fins administrativos, fiscais ou legais.
Arquivo definitivo ou histórico
Fundo ou núcleo constituído por documentos correspondentes a processos concluídos, depois de prescritas as respectivas condições de reabertura. Corresponde à fase inactiva, na qual os documentos deixaram de ser utilizados pela entidade produtora no âmbito dos fins que motivaram a sua criação; devem, por isso, ser eliminados, a menos que possuam um valor secundário que justifique a sua conservação permanente.
Arquivo intermédio
Arquivo constituído por documentos correspondentes a processos já concluídos, mas ainda susceptíveis de serem reabertos. Corresponde a uma fase semi-activa, durante a qual os documentos são ocasionalmente utilizados pela entidade produtora, para fins administrativos, fiscais ou legais.
Arquivo reservado
Arquivo sujeito a restrição de comunicabilidade.
Auto de destruição ou de eliminação
Acto, revestido das formalidades prescritas por lei, de um processo de eliminação.
Auto de entrega
Acto, revestido das formalidades prescritas por lei ou pelo costume, que culmina o processo de transmissão, a qualquer título, de documentos e/ou arquivos e que deve ser assinado no momento da entrega material.
Captura
Registo, classificação, adição de meta-informação e armazenamento de um documento de arquivo num sistema que gere documentos de arquivo.
Classe
Parte de uma hierarquia representada num ponto do quadro de classificação.
Ciclo de Vida dos Documentos
Evolui em três fases, compreendidas em fase activa, semi-activa e inactiva dos documentos, à medida a que a sua frequência de utilização administrativa e o seu valor se transforma.
Classificação
Identificação e organização sistemáticas de actividades e/ou de documentos de arquivo em categorias, de acordo com convenções, métodos e procedimentos de aplicação estruturados logicamente e representados num plano de classificação.
Classificação de segurança
Restrição de comunicabilidade e utilização de documentos de arquivo ou informações, imposta pelo Governo ou outras entidades definidas por legislação específica, por razões de segurança nacional. Tal documentação é referida como classificada. Os graus de confidencialidade são: confidencial, reservado, secreto e muito secreto.
Conservação permanente
Custódia por tempo ilimitado dos documentos de arquivo.
Conversão digital
Transferência de documentos em formato analógico (papel, filme, e outros) para o formato digital através de um processo de digitalização.
Custódia
Função primordial do serviço de arquivo. Evolui em três idades ou fases – fase activa, fase semi-activa e fase inactiva – caracterizadas pela frequência da sua utilização dos documentos e pelo tipo de utilização que deles é feito.
Descrição
Operação que consiste na representação exacta de uma unidade de descrição e das partes que a compõem, caso existam, através da recolha, análise, organização e registo de informação que sirva para identificar, gerir, localizar e explicar a documentação de arquivo, assim como o contexto e o sistema de arquivo que o produziu.
Documento
Unidade constituída pela informação e respectivo suporte.
Documento anexo
Documento remetido por outro, que é considerado o documento principal. Pode conter esclarecimentos ou provas do que neste se afirma.
Documento apenso
Documento posteriormente mandado juntar a outro, por conter elementos de prova ou informação relativos à mesma acção ou procedimento administrativo ou judicial.
Documento autenticado
Documento reconhecido como autêntico por entidade competente.
Documento composto
Conjunto de documentos simples que corresponde a um mesmo procedimento, trâmite ou processamento administrativo ou judicial.
Documento comunicável
Documento sobre o qual não recai qualquer restrição de comunicabilidade.
Documento confidencial
Documento sujeito a restrições de comunicabilidade, quer por conter informação de carácter privado, quer por ser objecto de classificação de segurança.
Documento de arquivo
O documento de arquivo é produzido com fim de provar e/ou informar um procedimento administrativo.
Documento electrónico
Um documento de arquivo que se encontra em formato electrónico.
Documento produzido, recebido, transmitido e, eventualmente, mantido e armazenado em suporte digital e que não é legível sem recurso ao sistema intermediário que lhe deu origem.
Documento externo
Documento trocado entre a Instituição e outras entidades e/ou pessoas físicas. Documentos produzidos por entidades externas que são enviados à Instituição (documento externo de entrada), quer como os documentos produzidos pela Instituição que são enviados a outras instituições (documento externo de saída).
Documento interno
Documentos trocados (produzidos e recebidos) entre indivíduos /serviços /unidades da mesma Instituição no decorrer das suas actividades e no âmbito das suas competências, independentemente da via de transmissão.
Documento oficial
Documento emitido ou reconhecido por um serviço público.
Eliminação
Destruição de documentos de arquivo que, na avaliação, foram considerados sem valor arquivístico e/ou histórico que justificasse a sua conservação permanente.
Fundo
Conjunto orgânico de documentos, independentemente da sua data, forma e suporte material, produzidos ou recebidos por uma pessoa jurídica, singular ou colectiva, ou por um organismo público ou privado, no exercício da sua actividade. É a mais ampla unidade arquivística.
Gestão da informação
Implementação de um conjunto de medidas que visam a racionalização e a eficácia no uso e circulação de dados e informação e a aplicação das teorias e técnicas da ciência da informação aos sistemas de informação.
Gestão de Arquivo
Aplicação aos arquivos das teorias e técnicas que visam uma administração racional, eficiente e
económica.
Gestão de Documentos
Implementação de um conjunto de medidas que visam a racionalização e a eficácia na constituição, avaliação, aquisição, organização, conservação e comunicação dos arquivos.
Guia de Remessa de Documentos
Relação dos documentos enviados a um arquivo e preparada pela entidade que os remete, para fins de identificação e controlo, podendo ser usada como instrumento de descrição documental, nomeadamente nos arquivos intermédios.
Manuscrito
Documento escrito à mão ou dactilografado.
Meta-informação
Processo de atribuir a extrair informação interna e externa sobre a concepção, produção, gestão, armazenamento e eliminação de documentos electrónicos, a fim de assegurar o valor probatório intrínseco dos mesmos através da manutenção de controlo de capacidade demonstrativa do ciclo de vida documental.
Metro Cúbico
Unidade de volume que corresponde aproximadamente a nove metros lineares de documentos.
Metro Linear
Unidade convencional de medida que deve ser utilizada para determinar o comprimento ocupado pelos documentos nas estantes e para dimensionar a capacidade de instalação de um depósito, tomando como base a medição das prateleiras.
Microcópia
Microforma em filme que serve de suporte a micro cópias dispostas em grelha, provida de cabeçalho legível sem ajuda de leitor de micro formas.
Microfilme
Rolo de película transparente, comportando uma série de micro cópias.
Migração Documental
Processo de transferência de documentos digitais para formatos recentes e actualizados, de forma a evitar a obsolescência técnica e consequente ilegibilidade.
Palavra-chave ou Descritor
Termo que se utiliza na indexação para representar um determinado conceito, também chamado termo preferencial.
Plano de Classificação
Sistema de classes predefinidas, concebido para a organização de um arquivo corrente, nomeadamente quanto ao âmbito das classes e à ordenação das unidades arquivísticas abrangidas por cada uma, de modo a determinar toda a estrutura de um arquivo. O Plano ou Quadro de Classificação gera um código de classificação que, por sua vez, é conjunto de números e/ou letras que dele derivam.
Prazo de Conservação
Período de tempo fixado para a conservação dos documentos de arquivo. Este prazo é definido em tabela de selecção.
Prazo de Prescrição
Período de tempo durante o qual os documentos têm obrigatoriamente de ser conservados por
imperativos de natureza legal, fiscal, administrativa ou outra.
Preservação
Processos e operações necessárias para assegurar a sobrevivência de documentos autênticos através do tempo.
Processo
Qualquer acção administrativa ou judicial sujeita a tramitação própria normalmente regulamentada. Unidade documental em que se reúnem oficialmente documentos de natureza diversa no decurso de uma acção administrativa formando um conjunto materialmente indivisível e com uma finalidade específica. Um conjunto de documentos de arquivo relacionados entre si, tratados como uma unidade e agregados
por se reportarem a uma mesma acção, um assunto determinado ou por serem tipologicamente idênticos.
Processo Aberto
Processo correspondente a uma acção administrativa ou judicial ainda não concluída e, portanto, susceptível de receber novos documentos.
Processo Findo
Processo correspondente a uma acção administrativa ou judicial dada por concluída e que, portanto, não integrará novos documentos. Em circunstâncias determinadas, normalmente previstas na lei, um processo findo pode ser reaberto ou apensado a outro.
Processo Individual
Processo de cada um dos trabalhadores de uma organização, onde se reúnem elementos biográficos sobre a sua situação pessoal, familiar e profissional.
Processo Electrónico
Um conjunto de documentos de arquivo electrónicos relacionados entre si.
Regulamento de Arquivo
Instrumento legal regulamentador de um sistema de gestão de documentos. Na sua forma mais simples deve incidir sobre a avaliação, a selecção, a eliminação, as remessas e a substituição de suporte.
Registo
Acto de lançar em suporte próprio dados ou informações. Documento de arquivo elaborado para efeitos de controlo e descrição da documentação produzida e/ou recebida por uma administração de um arquivo (registo de correspondência, registo de entrada, etc) ou
para efeito de prova de actos, factos ou acontecimentos. Relação e descrição de documentos, actos, factos, títulos com o fim de autenticá-los.
Selecção
Operação decorrente da avaliação que consiste em separar os documentos de arquivo de conservação permanente daqueles que poderão ser objecto de eliminação.
Série
Unidade arquivística constituída por um conjunto de documentos simples e compostos a que,
originalmente, foi dada uma ordenação sequencial, de acordo com um sistema de recuperação da informação. Esta operação deve ser realizada em função da tramitação, tipologia documental ou área temática.
Sub-série
Parte de uma série, originalmente diferenciada, correspondente às fases de processos do mesmo tipo, a subdivisões sistemáticas de assunto ou tipologias documentais.
Tabela de Selecção
Relação dos documentos de arquivo de um organismo ou administração que estabelece os que devem ter conservação permanente e fixa os prazos e condições de eliminação dos restantes. A tabela de selecção regista o resultado da avaliação.
Tesauros /Thesaurus
Lista de vocabulário de uma linguagem controlada, organizada formalmente de maneira a explicitar as relações estabelecidas entre os conceitos.
Tipologia Documental
O tipo documental é a configuração que assume um documento/uma espécie documental de acordo com a actividade que a gerou.
Categoria em que se insere um documento de arquivo de acordo com a sua forma e a função a que se destina. Existem diversos tipos de documentos tais como: acta, ofício, relatório, entre outros.
Transferência
Mudança de depósito de documentos de arquivo, com ou sem alteração de custódia.
Unidade Arquivística
Documento simples ou conjunto de documentos de um mesmo arquivo (processo, série/sub-série, fundo).
Unidade de Instalação
Unidade básica de cotação, instalação e inventariação das unidades arquivísticas. São unidades de instalação: caixas, maços, rolos, pastas, CD, bobinas, cassetes, entre outros.
Valor Administrativo, Primário ou Probatório
Valor inerente aos documentos de arquivo, na medida em que consignam ou provam direitos e obrigações e são reconhecidos como garantia e fundamento de actos, factos e acontecimentos.
Valor Arquivístico
Valor atribuído a um documento de arquivo ou outra unidade arquivística, para efeitos de conservação permanente num arquivo. Resulta do seu valor primário e/ou da relevância do seu valor secundário.
Valor Histórico
Valor atribuído a um documento de arquivo ou outra unidade arquivística, que detenha especial valor informativo.
Valor Informativo ou Secundário
Valor decorrente da informação veiculada por um documento de arquivo ou outra unidade arquivística. Deste ponto de vista, são especialmente relevantes os que, independentemente do fim para que foram elaborados, testemunham a constituição e funcionamento da administração produtora e/ou fornecem dados ou informações sobre pessoas, organizações, locais ou assuntos.
Valor Legal
Relevância de um documento de arquivo perante a lei para comprovar um facto ou constituir um direito.
Publicado em arquivista, arquivo, arquivologia, ciência documental, ciencia informação | Publicar um comentário

Reinventar as Bibliotecas

Interessante artigo de Thomas Frey sobre o futuro das Bibliotecas

Reinventing Libraries

Ten years ago, many of the tech elite were predicting the demise of the public library. Little did they understand that libraries are living, breathing organisms. Much like plants that flourish with good dirt, water and sunshine, libraries have begun to thrive in our information-rich environment. Libraries are going through an age of rebirth, with cities investing heavily in their central libraries as the crown jewel of their community. Opulent multi-story glass buildings have been erected, attracting many new categories of library users. But the question remains – Where do libraries go from here?

Once a central part of all libraries, books are now playing a diminishing role. Electronic book readers such as the Amazon Kindle are growing in popularity among the avid reader crowd, and with prices already plummeting, it will soon be cheaper for libraries to loan book readers instead of books. Many libraries in the future will no longer have traditional books in them.

The declining importance of “ink-on-paper” books creates many exciting new opportunities for the evolution of next generation libraries. What will they look like? What kind of tools and capabilities can be added? How will future libraries fit into the lives of the people they serve?  The canvas has been stretched, but the masterpiece is yet to be created.

This talk takes a probing look at the possibilities. The presentation can be tailored to either community or academic libraries and is focused on ways for libraries to expand their influence among their constituency. The perfect complement to long range planning, strategic visioning, library development, facility modeling, and architectural design efforts.

 

Publicado em biblioteca, biblioteca escolar, bibliotecario, biblioteconomia, ciência documental, ciencia informação, livro, Web 2.0 | Publicar um comentário

O que faz um Arquivista?

“Os arquivistas são os profissionais que adquirem, avaliam, organizam e conservam a informação relacionada, basicamente, com a gestão da actividade de instituições ou pessoas – de natureza pública ou privada – independentemente do suporte em que estiver registado. No âmbito das suas tarefas estabelecem e aplicam critérios de gestão de documentos; avaliam e organizam a documentação com interesse administrativo, probatório e cultural, de acordo com sistemas de classificação definidos pela entidade produtora da documentação ou que reflectem o seu sistema de organização e/ou os das redes organizacionais onde se encontrem envolvidas; mantêm os documentos, respeitando o esquema de organização original do arquivo; intervêm na análise de processos organizacionais adequando-os à respectiva produção documental, definem e optimizam circuitos documentais e processos de controlo dos documentos na organização, elaboram tabelas de selecção estipulando os prazos de conservação e destino final dos documentos; referenciam os documentos de modo a poderem ser facilmente localizados por qualquer utilizador do arquivo; orientam a elaboração de instrumentos de acesso documentação, tais como guias, inventários, catálogos e índices; apoiam o utilizador orientando-o na pesquisa de registos e documentos apropriados; promovem acções de difusão a fim de tomar acessíveis as fontes; coordenam e supervisionam o pessoal que lhes presta apoio técnico.”

fonte: APBAD
Publicado em arquivista, arquivo, arquivologia, ciência documental, ciencia informação | 7 Comentários

Normas/standards e termos Biblioteconomicos

Acervo- Conjunto de livros, folhetos, etc., que uma biblioteca possui para uso dos leitores. É também designado por fundo bibliográfico.

Analítico- Um analítico é uma parte componente de uma publicação periódica ou monografia, ou seja, é um artigo de uma revista ou um capítulo de um livro.

Catalogação – Operação técnica que consiste na descrição bibliográfica de um documento. Dele são extraídas indicações que permitam mais tarde recuperar o documento.

Catálogo – Conjunto de entradas bibliográficas respeitantes a uma colecção documental. Pode ser organizado por pontos de acesso (autor, título, colecção).

CDU- Classificação Decimal Universal – Sistema de classificação para bibliotecas baseado em 10 classes criado por Paul Otlet e Henri La Fontaine. Este sistema de classificação é feito com numeração árabe e procede à divisão por assuntos dentro de cada classe.

Colecção– Grupo de publicações distintas, ligadas entre si por um título comum, cada um com o seu título próprio e o seu responsável, expresso ou não; a colecção em si, tem o seu responsável, singular e colectivo, pode ser ou não numerada e, ainda, ser subdividida em subcolecções, com numeração própria ou numeração só da colecção em que se insere.

Cota– A cota é o elemento que permite localizar o documento nas estantes. É composta por uma notação e varia de instituição para instituição.

Descritor- Termo de um tesauro, que pode ser utilizado para representar um conceito num documento ou num pedido de pesquisa para recuperação da informação. Um descritor está inserido numa linguagem controlada.

DesiderataIndicação dos livros que faltam numa biblioteca pública ou privada e que não são fáceis de encontrar no mercado por serem muito procurados pelos bibliófilos.

Hemeroteca- Lugar onde se conservam colecções de publicações periódicas e jornais.

Indexação – Operação destinada a representar, através de uma linguagem documental, o resultado da análise de um documento de modo a que possa ser recuperado; extracção de informação sobre o conteúdo do documento.

ISBD- International Standard Bibliographic DescriptionConjunto de princípios que têm como objectivo principal facilitar a difusão internacional da informação bibliográfica.

ISBN- International Standard Book Number – Número Internacional Normalizado do Livro. Identifica a edição de uma obra publicada por um determinado editor e é próprio só para essa edição.

ISSN- International Standard Serial Number – Número Internacional Normalizado de publicação em série; é atribuído ao título-chave de uma publicação desse tipo pelo Internacional Serials Data System.

Livro antigo – Designação atribuída aos livros que foram produzidos desde a invenção da imprensa até ao início do século XIX; de modo mais preciso, e uma vez que os incunábulos constituem uma produção tipográfica à parte, não só pelas suas características próprias, mas também pelo seu tratamento catalográfico, pode dizer-se que o livro antigo abrange as obras impressas desde 1501 até 1800 inclusive.

Mapoteca- Colecção de planos, mapas ou atlas geográficos. Obra na qual são descritos mapas ou atlas. Lugar onde se guardam mapas ou atlas.

MARC- Acrónimo de Machine-Readable Cataloging Trata-se de um formato de informação bibliográfica desenvolvido por Henriette Avram na Biblioteca do Congresso no início dos anos 60. Permite a troca e interpretação de informação bibliográfica.

Monografia – Publicação contendo texto e/ou ilustrações apresentados em suporte destinado à leitura visual, completa num único volume de conteúdo unitário ou a ser completada num número determinado de volumes.

OPAC- Acrónimo de Online Public Access Catalogue, catálogo de acesso público em linha.

Registo bibliográfico– Descrição de um documento específico que contém título, menção de responsabilidade entre outros dados. O registo de um catálogo de biblioteca consiste numa descrição bibliográfica:

Reservados- Colecção especial de obras, que devido à sua raridade, fragilidade ou importância está apartada das colecções gerais de uma biblioteca, arquivo, serviço de documentação, etc. Normalmente a sua consulta é efectuada numa sala de leitura especial onde a vigilância é mais apertada.

Thesaurus ou tesauroLinguagem documental controlada baseada nas estruturas hierárquicas de uma ou diversas áreas do conhecimento, em que os dados são representados por termos de uma ou mais línguas naturais e as relações entre elas por sinais convencionais.

Truncatura – Processo de abreviação ou eliminação de parte de uma palavra-chave ou título num índice de títulos permutados; um título truncado apresenta falta de letras, palavras ou frases no início ou no final. Possibilidade de um utilizador interrogar um ficheiro imenso desconhecendo a grafia exacta do termo que pretende pesquisar. Símbolo utilizado no fim ou meio de uma palavra para recuperar variações de ortografia ou várias terminações de uma mesma raiz de palavra.

UNIMARC- Acrónimo de Universal Machine-Readable Cataloging que significa catalogação universal legível por computador. Este formato foi criado para permitir a troca internacional de registos bibliográficos, uma vez que os formatos MARC de cada país não eram compatíveis entre si.

Z3950–  Protocolo de servidor para pesquisar e recuperar informação a partir de bases de dados de computadores remotos. Este standard é mantido pela biblioteca do Congresso. É muito usado em bibliotecas e em softwares de gestão de referências bibliográficas.

Publicado em biblioteca, biblioteca escolar, bibliotecario, biblioteconomia, ciência documental, livro | 1 Comentário

how to read a book you don’t want to read

Publicado em biblioteca, biblioteca escolar, bibliotecario, biblioteconomia, ciência documental, ciencia informação, livro | Publicar um comentário

E porque está a chegar o natal…

E se houvesse Internet quando nasceu o cristianismo… A divulgação teria sido outra…

Publicado em arquivista, arquivo, arquivologia, biblioteca, biblioteca escolar, bibliotecario, biblioteconomia, ciência documental, ciencia informação, livro, museu, museulogia, Partilhar, Uncategorized, Web 2.0 | Publicar um comentário